Inventário de gases do efeito estufa (GEE) na atividade vitivinícola - estudo de caso da unidade de Santana do Livramento da Vinícola Salton S.A.

Autor(es): Deivid Camazzola da Silva , Bianca Breda, Luiza Grazziotin, Morgana Vigolo,
Orientador: Vania Elisabete Schneider
Quantidade de visulizações: 124

INVENTÁRIO DE GASES DO EFEITO ESTUFA (GEE) NA ATIVIDADE VITIVINÍCOLA
A busca pela redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE) cresce nos últimos anos, à medida que seus impactos se tornam cada vez mais evidentes. O principal deles é o aquecimento global, que vem sendo acelerado pelas ações antrópicas devido, principalmente, desenvolvimento das cadeias produtivas as quais emitem GEE direta e indiretamente. Neste sentido, justifica-se a necessidade de mitigá-las e, o primeiro passo para isso, é identificar suas fontes dentro de cada processo de produção. Dessa forma, o setor vitivinícola, expressivo no sul do Brasil, apresenta-se com atividade potencilamente importante dentro desse cenário e deve buscar formas de reduzir os impactos nas suas atividades para o desenvolvimento do seu produto. Sendo assim, este trabalho objetiva identificar as fontes e quantificar as emissões de GEE da unidade da Vinícola Salton S.A. localizada em Santana do Livramento - RS no ano de 2020, bem como as emissões e remoções de gases de efeitos estufa que ocorre dentro dos seus limites operacionais. Os dados para cálculo foram fornecidos pela empresa a partir de levantamentos internos. O tratamento dessas informações combinou regimentos normativos internacionais de relato de emissões de GEE, baseados na metodologia de quantificação do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC), com a adaptação de métodos de cálculo da literatura relacionada ao tema, a qual destaca-se o GHG Protocol. Uma das singularidades da empresa é a existência de uma extensa área de vinhedo que contribui para emissões de GEE, mas que também atua diretamente no sequestro de carbono da atmosfera, incorporando CO2 pela videira. Observam-se também emissões decorrentes da utilização de fertilizantes nas atividades agrícolas, depósito de material orgânico no solo e a fermentação do mosto no processo industrial. Destacam-se as emissões da categoria de “combustão móvel”, especialmente as relacionadas à combustão de veículos e equipamentos, na qual utiliza-se gasolina e diesel, combustíveis fósseis de alta emissão carbônica. Outro destaque é a grande parcela de área com vegetação nativa do Bioma Pampa, superior a 400 hectares, a qual apresentou potencial significativo de remoção de dióxido de carbono. Logo, espera-se obter ao final deste estudo uma parcela bastante superior de CO2 removido em relação ao emitido. Esse resultado será uma importante ferramenta na gestão das ações de cunho sustentável da empresa.

Palavras-chave: CO2e, Produção vitivinícola, Emissão de Gases do Efeito Estufa