Estado nutricional e autoimagem de mulheres do Programa de Extensão UCS Sênior.

Autor(es): Marina Gabriela Pedron Moreira
Orientador: Josiane Siviero
Quantidade de visulizações: 47

Estado nutricional e autoimagem de mulheres do Programa de Extensão UCS Sênior.
O envelhecimento feminino compreende diversos processos naturais, como modificações corporais, comportamentais e fisiológicas. Aspectos como o aumento de peso, gordura e apetite começam a ser percebidos, além da sua percepção estética com o corpo,  a baixa autoestima pode acarretar em problemas sociais e psicológicos. Metodologia: estudo observacional transversal. Os dados são do projeto NUTENV: Alimentação e Envelhecimento, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UCS (protocolo 061/2009). Utilizou-se questionário estruturado para entrevista. A partir do recorte do banco de dados, avaliaram-se variáveis demográficas, sociais, antropométricas, comportamentais e de saúde. As análises com o programa STATA®vs.12.0 e foram realizados teste de qui-quadrado e de tendência linear. Considerou-se estatisticamente significativo o p<0,05. Avaliou-se 204 mulheres, com 63±7,3 anos. Observou-se maior prevalência de excesso de peso nas mulheres que possuem risco muito aumentado ou risco cardiovascular nas medidas: circunferência da cintura (92,6% vs 6,0%, p<0,001), razão cintura/estatura (75,3% vs 2,4%, p<0,001), índice de conicidade (69,3% vs 44,7%, p=0,002) e índice de adiposidade (93,4% vs 33,6%, p<0,001). 95,6% possuíam autoimagem positiva e uma prevalência de percepção da autoimagem positiva em mulheres que realizam atividade física (97,1 versus, 86,2, p=0,0008). Não foram encontrados resultados significativos entre estado nutricional e autoestima. Porém, em todos os indicadores antropométricos utilizados para determinar o estado nutricional, a maioria das mulheres classificam-se em risco para doenças cardiovasculares. 

Palavras-chave: Autoestima, Mulheres, Estado Nutricional