Enzimas de macrofungos como agentes para o desenvolvimento de produtos dermatológicos

Autor(es): Esther Ziliotto Visentin , Ana Paula Vanin, Roselei Claudete Fontana,
Orientador: Marli Camassola
Quantidade de visulizações: 25

Enzimas e exopolissacarídeos de macrofungos aplicados a produtos dermatológicos
A indústria cosmética está em busca de ingredientes de fontes naturais devido à eficácia e aos efeitos menos tóxicos. Os macrofungos surgem como novos ingredientes, podendo ser incorporados em dermocosméticos. A exposição excessiva da população à radiação ultravioleta sem proteção adequada pode desencadear melasmas, hiperpigmentações, desidratação, perda de elasticidade da pele e outras complicações. Alguns estudos acerca dos metabólitos produzidos pelos macrofungos, como as enzimas fenoloxidases e os exopolissacarídeos (EPS) indicam que estes possuem atividades antioxidantes, anti-inflamatórias, despigmentantes e hidratantes podendo ser incorporados em dermocosméticos. Este estudo avalia oito espécies de macrofungos e a sua capacidade de produzir enzimas e EPS, as quais: duas linhagens de Lentinus sp., Trametes villosa, 227E.32 (não identificado), Schizophyllum sp., Bjerkandera fumosa e Auricularia fuscosuccinea, Pycnoporus sanguineus. Foram inoculadas em placa de Petri em meio BDA (batata dextrose ágar) e mantidas a 25°C até a sua colonização total. Após, foram realizados cultivos submersos em meio líquido com caldo de batata (200g.L-1) suplementado com glicose (20 g.L-1) e solução de sais minerais e micronutrientes (50 mL.L-1). O meio de cultivo foi distribuído em Erlenmeyers e após, estes foram fechados e autoclavados. Os mesmos foram inoculados com três discos dos fungos, fechados com gaze e mantidos em agitadores por 12 dias, em triplicata. Após, a biomassa micelial foi separada do sobrenadante por centrifugação (1400 rpm; 30 min) e seca em estufa (50°C). O sobrenadante contendo as enzimas e os EPS foi armazenado sob refrigeração para a análise de lacases (Lac), peroxidases totais, manganês peroxidases (MnP). Foi avaliada a viscosidade do caldo utilizando um viscosímetro rotacional Brookfield, spindle LV1. Fungos que produziram quantidades maiores de lacases: as duas linhagens de Lentinus sp., Pycnoporus sanguineus e Trametes villosa; peroxidases totais: Trametes villosa e Schizophyllum sp.; Manganês Peroxidases: Trametes villosa, 227E.32 (não identificado) e Auricularia fuscosuccinea. Não foi detectada atividade enzimática para as LiP e OAV. Quanto à viscosidade, as linhagens que se destacaram foram: 227E.32 (não identificado), Auricularia fuscosuccinea e Pycnoporus sanguineus. Diante destes resultados, será avaliada a ação das enzimas para despigmentação de melanina e a precipitação e purificação dos EPS. 

Palavras-chave: Macrofungos , Produção enzimática , Exopolissacarídeos