AÇÃO DE COMPOSTOS VOLÁTEIS DE Trichoderma sp. ISOLADOS DE VIDEIRA NO CONTROLE DE Botryosphaeria dothidea

Autor(es): Manuela Dall´agnol , André Luiz Montes,
Orientador: Joséli Schwambach
Quantidade de visulizações: 44

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE COMPOSTOS VOLÁTEIS de Trichoderma CONTRA B. dothidea
As doenças fúngicas causam danos nas plantas e podem levá-las à morte, sendo um grande obstáculo para a viticultura, tornando-se necessário o uso de agrotóxicos nas lavouras. Entretanto, o controle biológico tem sido uma alternativa bastante efetiva, pois não causa impacto ambiental como os agrotóxicos. No sul do Brasil a podridão descendente, causada por mais de uma espécie de fungo, sendo Botryosphaeria dothidea a mais comum, está entre as principais doenças que atingem o tronco da videira. Como alternativa, há várias espécies endofíticas do gênero Trichoderma que têm se mostrado eficazes no controle de fitopatógenos, estimulando estudos voltados para o controle biológico, possibilitando uma produção mais sustentável. Diante do exposto, o objetivo geral do trabalho foi avaliar o potencial de inibição por compostos voláteis de quatro isolados de Trichoderma sp. isoladas da endosfera de raiz de videira, denominadas M1A, M1B, M1C e M1D, no desenvolvimento in vitro de B. dothidea (Pat). Os fungos foram previamente crescidos em meio Batata, Dextrose e Ágar (BDA) por 7 dias a 25 ºC. Em seguida, plugs de 7 mm (Ø) de todos os fungos foram retirados da borda das colônias e foram dispostos no centro de novas placas contendo BDA. O ensaio consistiu no emprego de duas placas de Petri sobrepostas e seladas com filme plástico PVC. Na placa superior foi inoculado um plug do patógeno e na placa inferior um plug de um dos isolados de Trichoderma sp., totalizando 5 tratamentos (Controle, Pat-M1A, Pat-M1B, Pat-M1C, Pat-M1D), com 4 repetições cada. As placas foram incubadas em câmara de cultivo por 7 dias a 25°C. A porcentagem de inibição foi obtida por meio de medições ortogonais no 7º dia. O IVCM (Índice da Velocidade do Crescimento Micelial) foi obtido através das medições ortogonais do crescimento do patógeno no 2º, 5º e 7º dias. No 7º dia de crescimento, os quatro isolados de Trichoderma sp., M1A, M1B, M1C e M1D, não apresentaram inibição significativa do patógeno por meio dos seus compostos voláteis, atingindo apenas 3,22, 0,69, 3,21 e 3,50% de inibição do crescimento micelial, respectivamente. Além disso, não houve redução significativa do IVCM nos quarto tratamentos quando comparados ao controle. Os isolados de Trichoderma sp. não possuem ação de controle biológico mediados por composto voláteis frente ao patógeno B. dothidea. Novos estudos serão desenvolvidos a fim de identificar os mecanismos de controle biológico destes isolados.

Palavras-chave: Viticultura, Endofítico, Controle Biológico