Avaliação de leveduras isoladas de méis de abelhas sem ferrão: assimilação de fontes de carbono.

Autor(es): Gabriela Priscila da Silva , Jennifer Pereira Moreira, Ronaldo Kauê Mattos Rocha, Fernando Joel Scariot, Luisa Vivian Schwarz, Luciano Foresti, Sergio Echeverrigaray,
Orientador: Ana Paula Longaray Delamare
Quantidade de visulizações: 27

Avaliação de leveduras isoladas de méis de abelhas sem ferrão.
Estudos sobre o potencial de leveduras vêm sendo realizados há décadas, a fim de se observar as diferentes capacidades (fermentativas e assimilativas) de algumas espécies, que posteriormente poderão fornecer base à bioindústria e a biotecnologia. O mel é um produto com elevada concentração de açúcares (> 60%), fato que restringe o desenvolvimento microbiano. Mesmo nestas condições leveduras e bactérias osmotolerantes podem crescer determinando características organolépticas diferenciais desejáveis ou indesejáveis. As leveduras isoladas de méis pertencem em geral aos gêneros Zygosaccharomyces, Pichia, Candida e Starmerella, e sua presença e população varia dependendo da região, época do ano, e outros fatores. Neste contexto, foram isoladas leveduras de méis de abelhas sem ferrão coletados em Nova Petrópolis (RS), os quais foram testados quanto à assimilação de 21 fontes de carbono. Os testes foram realizados em placas Elisa contendo o meio YNB, 1% de fonte de carbono e 0,05% de bromocresol verde. Os resultados mostraram elevada variabilidade entre os isolados formando grupos de comportamento relacionados às diferentes espécies de leveduras encontradas. Quanto à capacidade de assimilação de distintas fontes de carbono destacaram-se os isolados obtidos do mel de Melipona seminigra (Uruçu seminigras), especialmente o isolado M5.3 capaz de assimilar 80.9% das fontes de carbono avaliadas. Além disso, e como esperado, os isolados apresentam osmotolerância, sendo capazes de crescer em concentrações >50% de glicose. De um modo geral os resultados mostram o potencial de isolados de leveduras de mel para a utilização de biotecnológica, explorando a osmotolerância e utilização de distintas fontes de carbono.

Palavras-chave: leveduras, osmotolerância, assimilação