Controle biológico da podridão cinzenta através do uso de Trichoderma sp. endofítico de videira.

Autor(es): Laura Maria Benincá , André Luiz Montes,
Orientador: Joséli Schwambach
Quantidade de visulizações: 40

Controle biológico da podridão cinzenta através do uso de Trichoderma sp.
Microrganismos endofíticos, isolados de plantas, apresentam capacidade de biocontrole de fitopatógenos, dentre eles espécies do gênero Trichoderma. O fungo Botrytis cinerea provoca a podridão cinzenta na videira e se desenvolve antes ou após a colheita, podendo causar grandes perdas econômicas. O controle da doença ocorre pelo uso de fungicidas químicos, causando problemas para o meio ambiente e/ou para o consumidor da uva. Entretanto, atualmente são estudadas maneiras sustentáveis de controle das doenças para a substituição desses agroquímicos, como o uso de bioagentes com capacidade de biocontrole de patógenos. Nesse contexto, o principal objetivo foi avaliar o isolado de Trichoderma sp. M1C no controle da doença podridão cinzenta em folhas de videiras. O teste foi realizado com folhas destacadas de videiras transferidas para placas de Petri com meio ágar-água, com 6 tratamentos e 10 repetições, sendo eles: controle (somente água), PAT (somente B. cinerea), TRICHO (somente M1C), curativo (B. cinerea e após 24hs M1C), preventivo (M1C e após 24hs B. cinerea) e simultâneo (B. cinerea e M1C ao mesmo tempo). Para a inoculação na face abaxial das folhas, foi utilizado um plug de 7 mm (Ø) da borda da colônia do patógeno previamente crescido em meio Batata, Dextrose e Ágar (BDA) por 7 dias a 25 ºC, e para a inoculação do M1C foi utilizada uma solução de esporos padronizada em 1.108 conídios.mL. Para a avaliação, medições da severidade da doença das áreas deterioradas na superfície das folhas foram quantificadas usando o software ImageJ. Como resultado, os tratamentos apresentaram os seguintes valores de severidade: 0% no controle, 49,44% no PAT, 2,70% no TRICHO, 5,14% no curativo, 13,21% no preventivo e 10,24% no simultâneo. Houve redução significativa da severidade da doença causada por B. cinerea no tratamento curativo quando comparado ao PAT, reduzindo em mais de 90% o sintoma e demonstrando a eficácia do M1C no controle da podridão cinzenta. Vale destacar que o TRICHO e o curativo não diferiram do controle, confirmando que o isolado de Trichoderma sp. M1C não causa danos ao tecido foliar. Como conclusão, Trichoderma sp. M1C tem capacidade de atuar no controle da podridão cinzenta em folhas destacadas de videira.

Palavras-chave: Controle biológico, Podridão cinzenta, Trichoderma