Avaliação da atividade antifúngica da natamicina sobre leveduras

Autor(es): Luiza Pellini Danelus , Valéria Dal Prá, Sérgio Echeverrigaray,
Orientador: Ana Paula Longaray Delamare
Quantidade de visulizações: 86

Avaliação da atividade antifúngica da natamicina sobre leveduras
A natamicina é um composto do grupo dos polienos antimicóticos produzido pela bactéria Gram-positiva Streptomyces natalenses, e possui um amplo potencial antifúngico. No Brasil, é permitida a sua utilização apenas na casca de queijos para inibir o crescimento de fungos filamentosos, porém dado seu amplo espectro de ação, em outros países já é utilizada para tratamento tópico em animais e em afecções oculares em humanos. Assim sendo, o potencial antifúngico da natamicina poderia ser ampliado para fármacos na indústria veterinária entre outras. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a concentração inibitória mínima e letal de natamicina sobre várias leveduras. Primeiramente foi determinada a concentração inibitória de natamicina (0 a 50 mg/L) em meio YEPD sobre as leveduras Candida albicans, C. glabrata, C. krusei, C. tropicalis e Saccharomyces cerevisiae. Os ensaios foram realizados em microplacas mantidas sob agitação a 30°C por 24 horas. Com base nos resultados foi realizada uma nova avaliação, nas mesmas condições, nas concentrações de 0,5 a 8 mg/L de natamicina sobre as leveduras anteriormente testadas. A inibição de crescimento foi determinada por espectofotometria a 595 nm, e os resultados convertidos a percentuais e avaliados pelo programa Probit. Os tratamentos (concentrações) nos quais não foi observado crescimento foram re-inoculados em placa YEPD a fim de avaliar-se a concentração fungicida mínima.  Quanto ao experimento inicial, verificou-se que o crescimento de todas as leveduras foram inibidas entre as concentrações 1,56 e 6,25 mg/L do antibiótico, entretanto, não foi possível terminar a CIM pelo Probit.  Após a constatação desses valores, na segunda etapa foram abertas as concentrações com doses menores de natamicina, mostrando que as CIMs variaram entre as leveduras, sendo 2,6 mg/L para S. cerevisiae, 2,4 mg/L para C. glabrata, 3,7 mg/L para C. tropicalis, 3,3 mg/L para C. krusei, e 5 mg/L para C. albicans. Já as CFMs variaram ente 3,5 e 8 mg/L. Sendo assim, pode-se observar que a natamicina é um antibiótico promissor com relação às leveduras e com base nisso deve ser estudado seu modo de ação e as variações entre espécies de leveduras.

Palavras-chave: Polienos, Antimicóticos, Fungos